AS MULHERES DIWANDO

Aline Calixto, Letícia Novaes, Assucena Assucena e Raquel Virginia (As Bahias e a Cozinha Mineira) e Karina Buhr fazem homenagem ao cantor “mais erótico do Brasil”

A música de Wanderley Alves dos Reis, conhecido nacionalmente como Wando, é o ponto de partida para esse encontro feminino. Apontado como um dos grandes nomes do estilo “brega”, pela maneira sincera e sensual de falar do amor em suas composições, o músico é homenageado no show “Maça”. 


Natural do bairro de Bom Jardim, em Minas Gerais, Wando trabalhou como leiteiro, feirante e motorista de caminhão. Estudou violão clássico, mas o abandonou, ao descobrir sua principal faceta, “músicas para tocar as moças”. Compositor de algumas pérolas conhecidas pelos brasileiros, cantor de extraordinários recursos técnicos, exímio violonista e pioneiro em temas tabu durante a ditadura – como a homossexualidade ou a questão das favelas – Wando foi, sobretudo, um artista de palco. Galã e sedutor, ele passava longe do rótulo de machão. Era delicado, e por isso levava o público feminino ao delírio, mas não provocava nos homens terror ou desconforto.

 

Nos diversos palcos brasileiros, Wando com seu sorriso galante era ovacionado pelos fãs e mantinha uma tradição que se iniciou com o álbum “Tenda dos Milagres” (1990), as calcinhas como troca entre ele e a plateia. O músico colecionava as peças íntimas jogadas durante os shows, em baús lotados com as mais variadas formas, cores e tamanhos. “Muitas calcinhas chegam ainda quentinhas no palco”, dizia ele.

 

Os curiosos que aguardem, pois a homenagem criada pelo Sérgio Sérvollo, com direção musical de Xuxa Levy e  produção da Verdura Produções Artísticas, promete um estilo único as canções desse ícone do brega nacional. “Já era hora de se prestar uma sincera homenagem ao Wando. Poucos souberam "tocar" as mulheres, como ele. Não há melhor forma de fazê-la, a não ser colocando diversos tipos de mulheres brasileiras para se apropriarem de suas canções, interpretá-las à sua maneira, e transmitir ao público essa emoção que só ele sabia fazer com tanta maestria”, afirma o diretor do espetáculo.

 

Durante o show, as cantoras convidadas voltam à estrada percorrida pelo artista e, num clima de muita intimidade, apresentam canções como: “CatimbaCriolo”, “O Importante é Ser Fevereiro”, “Moça” e “Fogo e Paixão”. Os músicos Davi Gomes (bateria), Márcio Forte (percussão), Tuco Marcondes (violão e guitarra), Fernando Nunes (baixo), Maurício Caruso ( guitarras), Denilson (sax e flauta) e Xuxa Levy (direção musical, piano e rhodes) formam a banda desse espetáculo.